terça-feira, 18 de Novembro de 2014

           Fado em tons de Outono
 


Fado, cantar de saudade. E hoje cantar de solidariedade.
Fado, desculpa perfeita para mais um encontro de amizade e solidariedade para com aqueles queridos Irmãozinhos que tão bem nos sabem receber. De braços abertos e sorrisos no olhar.
Saudade, palavra única e bem portuguesa que transmite todo um sentimento na voz.
O palco estava enfeitado com xaile e guitarra a lembrar o fado. Ao lado, a mesa preparada para qualquer caminhante que fosse a passar. A tijela da sopa, o jarro de vinho, a espiga de trigo, as alfaias agrícolas, tudo a lembrar quem somos. Alentejanos de coração. Não faltaram as castanhas pois o S. Martinho também estava ali. Em cima da mesa o candeeiro a petróleo com a chama da esperança a iluminar a noite.
As mesas também lembravam o fado. Enfeitadas com velas e flores, cada uma identificada com o nome dos vários fadistas portugueses. Lindo!
Sala cheia e olhares expectantes. Fez-se silêncio.
Trinam as guitarras, ecoam as vozes dos nossos fadistas. O palco encheu-se de juventude.
Foi com agradável surpresa que escutámos vozes tão jovens e tão bonitas, e descobrimos quanta beleza e entrega nesta maneira de cantar. Há emoção e alegria no ar. Emoção pelo momento, pelo som das guitarras, e pelas vozes fantásticas que pudemos ouvir. Alegria por nos ter sido dada, mais uma vez, a possibilidade de mostrarmos o quanto solidários conseguimos ser.
Nos intervalos tivemos oportunidade de saborear os vários petiscos alentejanos que tanto agradaram aos nossos amigos lisboetas. Também houve também caldo verde e linguiça assada, sangria para animar e aquecer as vozes, que em coro se elevaram com todos aqueles que sabem ser solidários, que sabem dar o coração aos outros Irmãos. Não faltaram as fotos para registar mais um momento maravilhoso e único neste sábado, 15 de Novembro, no Clube da Força Aérea em Beja.
Calou-se a guitarra, fez-se silêncio.
Voltámos a casa, e no coração levamos saudades pelos bons momentos vividos nesta noite. E a cantarolar, lembramos melodias de Outono em tom de fado.
Muito obrigada às nossas Amigas organizadoras de mais este evento. Estão, mais uma vez, de parabéns. Bem hajam.
E aos nossos queridos Irmãozinhos agradecemos a amizade e ternura com que sempre nos sabem acolher. Que Deus vos ilumine.
Ju
Queluz, 16 de Novembro de 2014

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

Rezar com as escrituras

Lectio Divina: leitura orante da Sagrada Escritura
 
Lectio Divina é, num primeiro significado, a própria Sagrada Escritura. Atualmente, a expressão atingiu outra dimensão: a Lectio Divina é a leitura orante da Sagrada Escritura, ou seja, a leitura do texto sagrado em estado de oração, unindo-se o indivíduo com o Reino de Deus.
 
Assim, para que esta oração, baseada na escuta da Palavra de Deus, se faça da melhor maneira é preciso que cada um de nós se deixe interpelar pelo Pai aquando da leitura. Para isso, a lectio divina é composta por quatro passos: a leitura do texto propriamente dita (lectio); a meditação sobre o texto lido (meditatio); a oração tendo em conta a meditação feita (oratio); a contemplação da graça concedida por Deus à humanidade de poder ler e meditar sobre a Sua Palavra (contemplatio).
 
Estas quatro fases da Lectio Divina pressupõem uma fase imediatamente anterior que consiste numa pequena oração inicial ao Espírito Santo. Na fase da leitura, não se supõe que cada um de nós faça uma interpretação crítica e/ou literária do texto, mas ter em atenção as personagens, os diálogos, as ações, entre outros pormenores que precisam de ser identificados com calma; na meditatio, é o momento de saborear o excerto lido: uma escuta atenta do que o texto nos diz no exato momento em que o estamos a ler, confrontá-lo com a nossa vida. Depois, é tempo de oração, de responder àquilo que o Pai nos disse no momento da leitura; de entrar num diálogo pessoal com Ele. A última fase, a da contemplatio, é a única em que nós somos apenas agentes passivos: é o momento em que nos deixamos ficar em silêncio diante de Deus deixando-o tornar-se presente em nós. Pode acontecer que algum de nós entre em estado de contemplação e adoração pura. Mas pode também acontecer que precisemos de fazer um grande esforço de modo a estarmos, por muito pouco que seja, na presença do Pai. Não depende de nós mas apenas d'Ele. Apenas uma coisa podes ser tu a fazer: Entrega-te!
 

Exemplo de oração inicial a invocar o Espírito Santo

«Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai, Senhor, o vosso Espírito, e tudo será criado; e renovareis a face da terra. Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo Senhor nosso. Ámen.»


Uma mensagem para hoje


quarta-feira, 12 de Novembro de 2014



No sábado 08 de Novembro, no Auditório do Centro Paroquial da Anunciada em Setúbal, participamos uma vez mais, noite de Adoração ao Santíssimo Sacramento da responsabilidade dos Irmãozinhos de S. Francisco de Assis de Beja. Mais uma noite memorável, maravilhosa.
Um ano depois, o Auditório voltou a estar repleto de pessoas que não conseguem ficar indiferentes ao chamamento de Jesus. E que, com os Irmãozinhos quiseram rezar, manifestar a solidariedade e a emoção que estas noites sempre nos proporcionam.
É sempre assim, vários autocarros cheios de fiéis chegam aos sítios onde de mês a mês têm lugar estas noites de oração. Não interessa o lugar, interessa a verdade, interessa o amor a Jesus, interessa a fé de cada um de nós, e a intensidade com que a vivemos.
É a alegria do reencontro. É a emoção a tomar conta de todos.
A alegria de rezar a cantar faz-nos vibrar, esquecer todos os problemas que nos assolam o espírito e o coração.
“Não vos preocupeis com o amanhã” disse o Senhor, e foi o tema desta noite.
Perante tantas preocupações que tomam conta de nós, que nos fazem entristecer, que nos fazem, talvez, tomar outros rumos que nos afastam de Jesus, este tema e esta noite foram muito importantes para cada um de nós. Louvámos emocionados a Jesus, adorámo-Lo com lágrimas nos olhos mas com o coração cheio de amor.
É preciso acreditar, ter fé e saber viver essa fé.
Não nos preocupemos com o amanhã porque teremos sempre Jesus a iluminar o nosso sonho e o nosso caminho.
E hoje, eu agradeço mais uma vez aos meus queridos Irmãozinhos que nos ajudam a continuar a trilhar o caminho que nos leva a este Deus tão bom e tão omnipotente.
Ju
Queluz, 11 de Novembro de 2014