quinta-feira, 7 de Agosto de 2014




Em breve mais informações...

terça-feira, 5 de Agosto de 2014

Aqui estou... Podes enviar-me.


 
Nomeações 2014 - 2015
A doce e reconfortante alegria de evangelizar exige de todos os que se deixaram tocar por Jesus Cristo um contínuo aprofundamento dessa relação primordial, que nos impele a ser uma Igreja missionária, sempre enviada e em saída para as periferias geográficas e existenciais, onde se desconhece ou está em perigo de desvanecer a ligação com a fonte da vida humana e espiritual: Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida. Isto exige um contínuo processo de discernimento, purificação e reforma das pessoas e estruturas pastorais, cuja primeira responsabilidade compete ao bispo nas igrejas particulares (EG 1, 9, 30, etc.). Consciente desta missão, quero, em primeiro lugar, agradecer a todos os meus diretos colaboradores, que, dispersos pela extensa área da diocese, se entregam pela causa do Reino, nem sempre compreendidos pelos companheiros do caminho missionário. Mas, para que o dinamismo missionário não estagne, compete-me estar atento e dar alguns impulsos, sobretudo no início de cada ano pastoral, pedindo a alguns dos meus colaboradores uma certa mobilidade, para tentar responder a alguns desafios locais e diocesanos.
O primeiro é a restruturação da pastoral da cidade de Beja, onde há quatro paróquias, uma confiada aos carmelitas. Atendendo à proximidade, ao envelhecimento do clero e à sua míngua noutras zonas, decidi criar duas unidades pastorais na cidade, sendo uma delas constituída pelas paróquias de Santiago Maior, Santa Maria e S. João Batista, que será confiada a três párocos in solidum, tendo como Moderador o Padre António Novais Pereira, que deixará as paróquias de Ervidel, Santa Vitória e Mombeja, que serão confiadas ao Padre Luís Miguel Taborda Fernandes. Os outros dois párocos serão indicados em setembro, assim como o projeto pastoral. Os padres residentes na cidade, continuarão a colaborar na pastoral, sobretudo nos serviços diocesanos, atendendo às suas capacidades e idade avançada.
Os diáconos da Fraternidade dos Irmãozinhos de S. Francisco de Assis vão assumir as paróquias de Albernoa, Trindade e Santa Clara de Louredo, sendo o Cónego António Domingos Pereira o Moderador. Para a paróquia de Vila de Frades será nomeado o Padre Daniel Guerreiro in solidum com Padre Luís Caetano Gomes. O Padre Dário vai ser nomeado pároco de S. Matias e Cabeça Gorda.
O Padre José Manuel Valente Bravo será nomeado pároco de Melides e do novo Vicariato do Carvalhal, continuando Vigário Paroquial das paróquias confiadas ao Padre Manuel António Guerreiro Rosário e assistente espiritual da Prisão de Pinheiro da Cruz. Tomará posse a 21 de setembro, 12,00 horas, em Melides. Aproveito para agradecer ao Bispo de Setúbal na pessoa do Padre Adalberto Tacanho Saraiva pela prolongada colaboração com a Diocese de Beja nessa zona pastoral.
A pastoral vocacional, o pré-seminário e diaconado permanente serão confiados a equipas coordenadas pelo padre João Paulo Quelhas Domingues.
Também será reorganizado o Apostolado do Mar, com a nomeação de uma equipa coordenada pelo Diácono Joaquim Castela da Silva Simão, de Sines.
No dia diocesano será nomeada nova Direção da Caritas Diocesana, devido ao pedido de D. Maria Teresa Chaves, que, após longos, frutuosos e trabalhosos anos como sua Presidente, irá deixar essas funções, a quem o Bispo e a Diocese ficam muito gratos e desejam as maiores felicidades.
Esperamos até essa altura também ter encontrado nova equipa de pastoral juvenil, dado que a Irmã Natália pediu para ser substituída. Também o Irmão José Domingos deixa a direção do Departamento de EMRC, sendo substituído pela Dr.ª Noélia Maria Batista do Estanque F. Lima e Jorge Miguel Raposo da Mata.
O padre Joaquim Valente SVD também deixa a comunidade de Almodôvar e será substituído por outro confrade,
Também deixam a diocese as Irmãs do Bom Pastor, em Colos e fecha a comunidade das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, em Moura, depois de presença superior a 80 anos.
A todos os que deixam funções ou mudam de lugar a nossa gratidão e votos das maiores bênçãos de Deus. A quem assume desejamos o mesmo e uma promessa de apoio e colaboração, segundo as nossas possibilidades.
Com os melhores cumprimentos e desejo de algum descanso para recuperação de energias, subscrevo-me com toda a amizade e sempre ao dispor
 † António Vitalino, Bispo de Beja

quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Ao falar de Ti

 

 
Férias
Tempo de Descanso. Tempo de recuperação de forças. Pode ser um tempo perdido. Tantas vezes, as férias, cheias de tudo e de nada, se tornam um tempo de maior cansaço e de dispersão.

É o não querer perder nada… programam-se viagens, enchem-se malas, gasta-se por vezes o que não se tem, corre-se desalmadamente, … um sem número de nadas que rapidamente se desvanecem no primeiro dia de trabalho em que nos descobrimos absolutamente cansados e de regresso à simples e enfadonha rotina. Isto não são férias.

Férias é mudar de atividade. É descansar, não por ficar sem fazer nada ou porque seja obrigatório mudar de lugar, mas porque fazemos o que habitualmente não temos oportunidade… e fazemo-lo sossegadamente.
 
Convém prepararmos bem esse tempo. Para que não seja tempo perdido. É preciso planear o que se quer fazer, a que nos queremos dedicar nas férias. E esse plano pode e deve ser decidido com Deus, para que Deus não seja esquecido nas nossas férias. Deus deu-nos o exemplo: Descansou ao sétimo dia da criação. Mas no sétimo dia não se esqueceu de nós. Pelo contrário convidou-nos a descansar com Ele no louvor da oração.

Estas férias podem ser um tempo especial de oração…



AO FALAR DE TI...

Senhor,
Eu quero ouvir a Tua voz
Fazer florescer e frutificar a Tua Palavra,
Reconhecer-te, descobrir-te,
Em cada gesto,
Em cada palavra,
Em cada momento,
Em cada esquina da minha vida…

Perdoa o meu silêncio,
A minha falta de resposta…

Eu sei, Senhor,
Que tu conheces como ninguém
O meu coração fraco, débil,
Que a cada passo
Se deixa tentar pelo mal
Para depois se afogar em lágrimas de dor e desespero,
 
Eu sei também que a Tua mão
Está sempre estendida,
Pronta para me resgatar…
Vens ao meu encontro.

Perdoa, Senhor a minha cegueira,
Apura os meus sentidos e o meu coração
Para que sinta fome e sede de Ti
E Te possa sentir em tudo e todos…
 
Não permitas que o meu coração endureça,
Atrofie, se torne árido e seco,
Tendo a fonte tão perto de mim.
Não deixes que eu perca o brilho do olhar,
Ao falar de Ti.
 
                                                                                                                                 Menorodrigues